Os maiores enganos cometidos pelos gerentes de informática

Para muitos empresários o técnico de informática ou o engenheiro que cuida de sua infraestrutura de TI é um mero acessório, algo descartável que pode “jogar fora” e contratar outro melhor e mais barato sempre que necessário. Os técnicos e engenheiros de TI precisam ser valorizados e precisam valorizar a si mesmo. Mas não é isto o que acontece, até porque muitos profissionais de informática cometem erros que são pequenos mas fundamentais, deixando de progredir profissionalmente e também fazendo com que seus empregadores ou clientes também deixem de melhorar. Acompanhe nosso raciocínio:

Alguns erros de gerenciamento podem tornar um profissional de informática menos eficiente, limitar o avanço de sua carreira e até ameaçar seu emprego. Um importante caçador de talentos (“head hunter”) americano fez um apanhado dos enganos mais comuns e publicou suas conclusões no famoso site techrepublic.com, voltado especificamente à Tecnologia da Informação.

Engano 1: Focar apenas na tecnologia e não nos negócios

Os profissionais de informática geralmente saíram de alguma escola especializada em hardware ou sistemas. Com tais raízes, estes profissionais tendem localizar esforços apenas no aumento dos seus conhecimentos técnicos quando, na verdade, deveriam estar igualmente procurando melhorar sua habilidade em oferecer suporte, abrir caminhos e melhorar os negócios. Para ser bem sucedido e otimamente remunerado, um gerente de TI precisa transformar-se num hábil líder empresarial, usando seus conhecimentos para alavancar a solução das questões e problemas do negócio, paralelamente cuidando da melhoria ou atualização das tecnologias empregadas.

Um exemplo prático: quando começam a trabalhar, muitos recém-formados ficam abismados em ver como certas empresas utilizam tecnologias “ultrapassadas” em seus negócios. Acontece que aquela tecnologia está resolvendo os problemas de TI da empresa, qualquer mudança vai custar caro e precisa oferecer melhorias realmente convincentes para valer a pena. Um profissional de TI pode perder seu emprego ao enfrentar problemas tentando atualizar determinada tecnologia sem ter um bom motivo. É numa situação assim que os bons profissionais se diferenciam dos demais, ou seja, é preciso ter conhecimento e experiência para saber quando, como e porque mudar algo.

Engano 2: Pensar que “fora do meu olhar” significa estar “fora do meu caminho”

É importante lembrar que em TI a “falta de notícias não é uma boa notícia”. Os gerentes de TI tendem a simplesmente tocar sua rotina diária, sem preocupar-se muito se as coisas estão indo bem ou se poderiam estar indo melhor. A tarefa mais importante que alguém em cargo gerencial pode fazer é avaliar as situações e os resultados. Há várias maneiras de se fazer isto, algumas muito sofisticadas e outras simples, porém eficientes, como usando planilhas e gráficos gerados no Excel. É preciso cuidado apenas para não coletar informação sem ter condição de analisar ou correr o risco de burocratizar demais os processos, com o intuito de coletar dados que de nada servirão em termos estatísticos pois acabarão não sendo analisados.

Engano 3: Pensar que a sua equipe tem sempre tudo sob controle.

No famoso reality show “O aprendiz”, onde candidatos a cargos executivos precisam cumprir provas determinadas pelo apresentador, muitos times acabam na “sala de eliminação” porque o líder delegou tarefas mas não foi a campo certificar-se de que elas estavam sendo cumpridas conforme o determinado. Fazer este “follow up” não é preocupar-se com migalhas, longe disto: é obrigação de todo líder criar mecanismos que, sem tirar o foco de sua gerência, permitam a ele ter certeza de que as tarefas estão sendo feitas corretamente.

Engano 4: Não inspecionar os resultados que você espera obter

Este problema tem suas origens no engano 3, mas resulta de uma ampliação das situações problemáticas. Por exemplo, alguém pode achar que está conseguindo uma grande performance de um grupo de servidores, só porque eles “devem” ser bons, mas não cria ou usa algum sistema para certificar-se – e demonstrar – que eles estão sendo utilizados em sua capacidade ótima. Esta lacuna acaba levando a planejamentos mal feitos, orçamentos irreais e pessoal sobrando ou faltando. Para evitar este problema tão comum faça uma lista do que se espera de cada departamento e da empresa como um todo. A lista deve incluir dados técnicos como projetos críticos, performance da rede e dos servidores, mas também deve avaliar o lado humano como satisfação do cliente, nível de stress da equipe e até a quantidade de licenças médicas. Além de fazer a lista certifique-se de verificá-la com regularidade. Crie a rotina para fazer um “follow-up” diário e ter certeza de que as coisas estão seguindo o caminho esperado.

Engano 5: Não criar parceria com as gerências do negócio

É comum encontrarmos empresas onde os gerentes de TI se reportam a outros gerentes de operação ou executivos da área financeira, ao invés de lidar diretamente com os donos, presidentes ou executivos principais. A única maneira que a informática pode ajudar efetivamente uma empresa é através da parceria com as pessoas que gerenciam o negócio como um todo. Longe de ser uma área ligada apenas a operação do dia-a-dia da empresa, a informática precisa alicerçar o caminho para o futuro, antecipando problemas e providenciando soluções. Quanto mais os profissionais de TI estiverem ligados à um time de líderes da empresa, mais perto chegarão de livrar-se do engano número 1 acima.

Engano 6: Desgastar-se e dedicar-se demais

É incontável a quantidade de gerentes de TI que estão sem tirar férias há anos, além de trabalhar 60 ou 70 horas por semana, inclusive nos finais de semana. Este tipo de vida é um enorme engano e a fórmula certa para o desastre. Parece que estes profissionais pensam, ou procuram fazer a empresa pensar, que ela não vai para a frente sem que ele faça este tremendo sacrifício. Algumas vezes isto acontece pelo fato da pessoa sentir-se ameaçada no cargo se alguém mais conhecer e souber fazer o seu trabalho, mas este excesso de centralização e pseudo-dedicação pode na verdade prejudicar a empresa.
Acontece que nenhuma empresa pode ficar dependendo de alguém que está se auto-deteriorando. Este processo, acontecendo durante anos, acaba levando a baixa produtividade, erros e, eventualmente, a pessoa acaba desistindo da empresa ou vice-versa. Pessoas que agem assim deveriam fazer um grande favor para si mesmos e para sua empresa, tirando algum tempo para cuidar delas mesmas e conviver com seus hobies, sua família, parentes e amigos. Todos sairão ganhando.

Engano 7: Não testar suas soluções de backup

Uma das principais tarefas dos gerentes de tecnologia da informação é garantir a confecção de um backup confiável. São inevitáveis as falhas de hardware, de sistema operacional ou de software, por isto é preciso sempre ter à mão um plano de emergência para ser deflagrado imediatamente nestas situações. Claro que é preciso cuidar da tolerância à falhas tendo servidores, conexões à internet, pessoal treinado e equipamentos de reserva, mas é fundamental certificar-se regularmente de que os backups estão sendo feitos e de que estão em perfeitas condições. Eles podem ser necessários desesperadamente de um segundo para outro, e quando isto acontecer não existirá milagre que salve o emprego de um gerente de TI se eles falharem. Aliás, a este respeito, vide o artigo “Técnicas de backup” publicado na Revista PnP nº 6.

Engano 8: Não pedir ajuda

É comum vermos alguma empresa entrar numa situação delicada e perigosa porque algum gerente ou técnico achou que podia resolver os eventuais problemas sozinho, sem informar seus superiores dos riscos ou, ao menos, ter um “plano B” para o caso de alguma surpresa. Este tipo de engano pode sair caro, se isto acontecer com você faça a coisa certa: peça ajuda. Um dos segredos de uma boa gerência de TI não é saber todas as respostas, mas sim saber onde procurá-las quando necessário para encontrar uma solução da maneira mais rápida e eficiente quanto humanamente possível. Assim, não hesite em procurar um especialista sempre que necessário, e procure trocar informações com seus colegas de profissão.

Engano 9: Não dedicar tempo ao desenvolvimento pessoal

Este engano está ligado à questão 6 acima, e também não existe desculpa aceitável para este caso. Muita gente que trabalha empregado acha que seu desenvolvimento pessoal é responsabilidade de seu empregador, mas este é um enorme engano. O desenvolvimento pessoal e profissional é responsabilidade de cada um de nós, e de ninguém mais.

Sempre é possível saber o potencial de sucesso de alguém perguntando quais foram os últimos 5 livros que leu ou os mais recentes seminários e cursos dos quais participou. Todo profissional que lida com tecnologia deveria dedicar pelo menos 30 minutos a cada dia para seu desenvolvimento pessoal. Os realmente devotados dedicam muito mais, coisa de até duas horas diárias.

A desculpa mais comum para não fazer este investimento é a falta de tempo, de dinheiro ou ambos. Entretanto, começa aí a demonstração de que a pessoa é um bom gerente, pois precisa administrar bem seu próprio tempo e dinheiro, fazendo sobrar recursos para dedicar-se não apenas a desenvolver seus talentos técnicos, mas também para investir em seu crescimento humano estudando coisas de outras áreas como música, dança, história, viagens ou qualquer outra coisa que lhe seja prazerosa e que amplie seus horizontes. Este tipo de atividade também ajuda a diminuir o stress e permitir ver as coisas de outros ângulos, permitindo que o cérebro analise perspectivas diferentes e possa trabalhar “em background” resolvendo assuntos técnicos mas de maneira mais intuitiva.

Engano 10: Não ter e nem ser um mentor ou guru

A rota mais rápida para o sucesso é mirar-se em alguém que já chegou numa posição que você almeja, e fazer tudo o que aquela pessoa já fez ou está fazendo. Ao mesmo tempo, a rota mais rápida para a dor, desespero e falha é fazer esta jornada sozinho. Esteja você num cargo de gerenciamento ou não, deveria sempre ter um mentor ou empresário e fazer o mesmo para uma outra pessoa. É a mesma coisa dos artistas famosos, todos eles têm seu empresário, que cuida e administra a carreira, mostrando caminhos, avaliando o desempenho e abrindo as portas para que ele possa mostrar sua arte.

Um empresário ou mentor vai ajudá-lo a conseguir mais do que conseguiria sozinho ao compartilhar seus conhecimentos e experiência pessoal e profissional, dando preciosos avisos sempre que necessário. Ao fazer o mesmo por alguma outra pessoa você estaria também fazendo isso e, ao mesmo tempo, estaria solidificando sua própria experiência e conhecimentos ao passá-los para seu pupilo.

Em resumo…

Algo do que falamos lhe parece familiar? Será que você se enxergou em alguma destas situações? Será que existem outros enganos que você já cometeu, ou percebeu que alguém costuma cometer?

Sempre dizemos que o sucesso (ou fracasso) profissional é resultado de uma série de fatores como sorte, oportunidade e trabalho. Os três precisam atuar em conjunto mas se você não for à luta, criar oportunidades e procurar tirar o máximo proveito de cada chance irá pouco a pouco ficando para trás na corrida pelo sucesso. Pequenas coisas, acumuladas ao longo dos anos, acabam fazendo muita diferença no final das contas. É como numa corrida de Fórmula 1, todo mundo pergunta quem ganhou uma prova, mas poucos se lembram que o segundo e o terceiro colocados chegaram apenas alguns décimos de segundo atrás do líder.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: