LVM: uma alternativa de particionamento

 

 

Quem já é acostumado a formatar computadores sabe que um particionamento adequado é essencial para que um sistema continue “operante” mesmo após uma outra formatação, ainda mais quando se trata de servidores. O LVM ou Logical Volume Management é um padrão para gerenciamento de discos e sistemas de arquivos, criado inicialmente pela IBM, recebendo apoio de empresas como HP e Open Group.

 

 

O LVM oferece algumas vantagens. Diferente do particionamento tradicional, ele não vê HD’s nem partições, ele cria os chamados volumes lógicos. Cada volume se comporta como se fosse uma partição, que pode ser formatada e montada normalmente. Esse volumes ficam agrupados em um grupo de volumes lógicos (Logical Volume Group), este por sua vez, se comporta como um HD.

Como é possível ver na figura acima, no LVM primeiramente temos os dispositivos físicos (Physical Volume), logo após temos o VG (volume groups) que podem englobar mais de uma partição e/ou HD, como mostra a figura. Finalmente na última “camada” temos os volumes lógicos que seriam as nossas partições. No caso da figura acima temos 3 volumes lógicos cada um se refere ao diretório /home, /var e /data respectivamente.

 

A diferença do LVM para o particionamento comum é que ao invés de armazenar as informações sobre as partições na tabela de partições (espaço que mantém as informações do particionamento do computador), o LVM escreve suas próprias informações de forma separada e mantém o controle sobre a localização das partições, quais dispositivos são partes delas e o tamanho de cada uma.

A principal vantagem é que o grupo de volumes lógicos pode combinar o espaço de diversos HD’s, que poderá ser modificado conforme necessário. E tudo isto será visto como um único volume, ou seja, é como se uma única partição englobasse mais de um HD. Uma outra vantagem é que você pode facilmente aumentar ou reduzir o tamanho dos volumes lógicos, procedimento que se assemelha ao redimensionamento.

 

Se você deseja aumentar o tamanho do volume X, você pode diminuir o volume Y e alocar esse espaço livre na partição X. Ainda existe a possibilidade de adicionar novos HD’s ao computador e posteriormente adicionar esse HD a um volume lógico existente. Se um servidor tiver suporte ao hot-swap é possível inclusive realizar essa operação sem reiniciar a máquina.

Se você deseja mais informações sobre LVM e procedimentos, você pode ler algum desses artigos:

 

É fácil perceber que o LVM é bem mais complexo e complicado se comparado ao sistema tradicional baseado em partições. Ele é útil para casos em que é necessário uma certa flexibilidade no gerenciamento dos discos. A menos que você seja um usuário avançado e queira realmente testar e usar o LVM, você pode ficar com o sistema tradicional.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s