Quem não ama Wi-Fi, não é mesmo!? A possibilidade de se conectar à internet totalmente livre de fios é puro amor! Agora, o que você me diria de uma rede Wi-Fi que é capaz de transmitir dados a uma irrisória velocidade de 2,5 TERABITS POR SEGUNDO!? Isso mesmo! Em termos práticos, ela é capaz de transferir 7 filmes completos em Blu-Ray por segundo! Muita coisa! Pensa que essa monstruosidade é mera utopia ou só será alcançada num futuro um tanto quanto distante? Bom, em parte, você está certo. E em outra, errado.

Cientistas norte-americanos e israelenses estão trabalhando numa maneira de melhorar ainda mais a transmissão de dados por uma rede sem fios. E, após muita pesquisa e tentativas, eles conseguiram montar a rede a qual mencionei acima, que suporta essa velocidade absurda de transmissão. É bem verdade que essa velocidade só foi conseguida numa distância de apenas 1 metro. Muito pouco, mas eles pretendem aumentar o alcance para até 1 quilômetro! Por mim, funcionando bem numa distância de até 100 metros, que é o máximo suportado pelas redes que usam cabos de cobre hoje em dia, está bom demais! Agora, a pergunta que não quer calar:

Para atingir tal feito, os cientistas criaram um novo padrão de transmissão. As ondas eletromagnéticas, que geralmente carregam os nossos dados, foram “retorcidas”, por assim dizer, formando vários feixes de vórtice. O site ExtremeTech fez uma síntese dese novo padrão:

Esses sinais ‘retorcidos’ usam um momento angular orbital (OAM, na sigla original) para juntar muito mais dados do que uma corrente simples. Usando o melhor dos protocolos de transmissão (Wi-Fi, LTE, COFDM), nós apenas modulamos o momento angular de spin (SAM) das ondas de rádio, não o OAM. Se você fotografar a Terra, SAM é o nosso planeta girando em seu eixo, enquanto OAM é o nosso movimento em torno do Sol. Basicamente, o que chama a  atenção aqui é que os pesquisadores criaram um protocolo de rede sem fio que usa os dois, batizado de OAM.

Eu sei, o conceito é bem complicado. Mas é como dizem, uma imagem diz mais que mil palavras. E essa imagem ilustra exatamente como será o novo formato das ondas eletrognéticas:

Até agora, os cientistas da Universidade do Sul da Califórnia, Laboratório de Propulsão a Jato da NASA e Universidade de Tel Aviv conseguiram formar apenas 8 vórtices juntos, com cada um deles operando a 300 Gbps. Juntos, eles alcançam o recorde impressionante de 2,5 Tbps. Como eu já mencionei, eles conseguiram transmitir dados a uma distância de apenas 1 metro, mas logo, logo eles aumentarão essa distância. Embora não haja uma data específica para que essa tecnologia seja usada em larga escala, já podemos pensar em vários usos para ela. Como um novo padrão Wi-Fi super rápido. Novos padrões de frequência e a união de várias redes mais lentas para formar apenas uma super rápida. Enquanto os pesquisadores não aprimoram a tecnologia, nos resta torcer para vermos essas mudanças e nos contentarmos com a nossa Wi-Fi de no máximo 300 Mbps. Patético!

Fonte: Guia do PC

Anúncios